AQUECIMENTO SOLAR PASSIVO

Todo anos, quando chega o inverno, em algum momento você já deve ter se perguntado por que algumas casas da mesma localidade são mais frias do que outras... Principalmente agora que faz pandemia lá fora e estamos em quarentena dentro de casa, ficando mais íntimos do espaço que nos abriga e acolhe a cada dia que passa, fica bem claro que #qualidadeambientalinterna é essencial para o nosso conforto, saúde e bem-estar.


A resposta para a diferença da sensação térmica de uma edificação para outra pode estar relacionada, entre outros fatores, a um princípio de aquecimento passivo dentre as #estratégiasbioclimáticas de controle solar no desenvolvimento de um projeto de arquitetura sustentável.



O aquecimento solar passivo usa a radiação solar direta ou indireta para aquecer a edificação.

Isso quer dizer que, desde a concepção, o projeto conta com a ajuda do sol, explorando sua altura e seu movimento, para reduzir a dependência de sistemas ativos e/ou mecânicos para aquecimento - que implicam em consumo de energia. Há duas maneiras de utilizar esse princípio, direta e indiretamente. Vamos explicar:


Aquecimento solar passivo direto


No inverno, quando as temperaturas estão mais baixas, o sol também está mais baixo no céu. Isso quer dizer que os seus raios conseguem penetrar mais fundo nos ambientes, trazendo consigo calor gratuito! Por isso chamamos de aquecimento solar direto: quando as superfícies internas recebem diretamente a radiação solar através das aberturas e transmitem o calor pelo ambiente por irradiação.



Para evitar que esse calor seja perdido durante a noite, são necessários materiais que ofereçam maior resistência térmica, como vidros duplos, por exemplo. Além disso, o bom isolamento das esquadrias impede a infiltração de ar externo - que no inverno, estará mais frio.



Aquecimento solar passivo indireto


Chamamos de aquecimento solar indireto quando a energia solar é "coletada" com o auxílio de materiais que possuem a capacidade de armazenar calor. São materiais que possuem massa termoacumuladora ou inércia térmica: esses materiais retêm lentamente o calor absorvido quando estão expostos diretamente ao sol, e o liberam pouco a pouco para o interior do ambiente.


Essa propriedade dos materiais também pode ser traduzida como atraso térmico. Com um bom planejamento e a distribuição desses materiais na fachada de acordo com a orientação solar e o período de uso de determinados ambientes, conseguimos explorar esse atraso na transmissão do calor a nosso favor. Por exemplo:


  • uma parede de alvenaria de tijolos maciços possui atraso térmico de 2,5 horas. (iamge)

  • uma parede de alvenaria de blocos cerâmicos possui atraso térmico de 3,3 horas. (iamge)

  • uma parede de alvenaria dupla de blocos cerâmicos com câmara de ar possui atraso térmico de 6 horas. (iamge)

Isso que dizer que é possível articularmos os materiais e a disposição dos ambientes para alcançarmos uma temperatura interna mais elevada no início da manhã - quando a temperatura do ar externo é baixa - algumas horas depois do último raio de sol no céu.


Mas atenção ao clima da sua região! Cuidado com o uso dessa estratégia, pois no verão ela pode gerar superaquecimento do ambiente interno se não for articulada corretamente ;)


Vamos juntas?

Com carinho,

L.

COPA

estúdio de arquitetura sustentável

2020